ufla

 

 

 

   
  POLYGONACEAE
   
 
Classificação Botânica

Divisão: Magnoliophyta 
Classe: Magnoliopsia 
Ordem: Caryophyllales 
Família: Polygonaceae 
Gênero: Polygonum 
Espécie: P. orientale
 
Descrição botânica
Família botânica formada por espécies herbáceas, arbóreas e lianas, excepcionalmente com caules achatados e clorofilados. Apresentam folhas geralmente alternas, simples, com estípulas bem aparentes, formando um tubo envolvente (ócrea), dificilmente ausente. Inflorescência racemosa ou cimosa; flores, em geral, pouco vistosas, bissexuadas ou unissexuadas, essas, em plantas comumente dióicas, actinomorfas, monoclamídeas ou diclamídeas, (às vezes, cálice substituindo corola); cálice dialissépalo ou gamossépalo, com 3 a 4 sépalas; corola trímera, dialipétala ou gamopétala; estames geralmente em número de 6 a 9; ovário súpero, pluricarpelar, unilocular, placentação ereta, uniovulado. Fruto dos tipos aquênio ou núcula, geralmente trigonal ou apresentando cálice persistente.
 
Ocorrência
Sua distribuição abarca quase todas as regiões do globo, com maior concentração no hemisfério norte, alcançando cerca de 1100 espécies em mais de 50 gêneros; no Brasil existem em torno de 100 espécies dentro de 7 gêneros.
 
Uso paisagístico
A família apresenta algumas espécies ornamentais bastante conhecidas como a arbórea Triplaris brasiliensis (pau-de-novato), árvore de porte e floração muito vistosas; Antigonon leptopus (amor-agarradinho), liana bastante usada nos jardins com suas flores róseas, muito vistosas e Persicaria capitata, erva reptante, ideal para forrações. Uma outra espécie também conhecida, a Homalocladium platycladum, é uma planta de forma bizarra, com caules achatados, lembrando fitas.
 
Gêneros
 
 
Antigonon, Cocoloba, Homalocladium, Muehlenbeckia, Persicaria, Polygonum, Ruprechtia, Triplaris.
 
 
Principais espécies
 
Foto: J. B. Sodré
Antigonon leptopus
 
Descrição
Espécie liana, com raízes tuberosas, originária do México, dotada de gavinhas, com ramos finos e densos, revestidos de folhas simples e pubescentes. Inflorescências compactas e muito vistosas, formadas por inúmeras flores cor-de-rosa. Propaga-se por estacas ou sementes. Existe uma variedade com flores brancas.
 
Uso paisagístico
Espécie muito cultivada nos jardins residenciais, plantada a pleno sol, guarnecendo cercas, grades, pórticos, muros e pérgulas.
 
 
 
Foto: J. B. Sodré
Persicaria capitata
 
Descrição
Espécie originária da Índia e Himalaia, de hábito reptante, ramagem fina e delicada, com folhas um tanto cordiformes, marcadas por desenhos angulares na cor amarronzada sobre fundo verde. Inflorescências formadas por flores miúdas, globosas, na cor rosa, cobrindo dcensamente a planta. Propaga-se espontaneamente por sementes ou por divisão da ramagem da planta já enraizada.
 
Uso paisagístico
Espécie cultivada a meia-sombra ou a sol pleno, como forração, sendo muito interessante para jardins rochosos; também cultivada em recipientes suspensos como vasos e jardineiras.
 
 
 
Foto: J. B. Sodré
Triplaris brasiliana
 
Descrição
Árvore originária do Brasil, dióica, de tronco oco e retilíneo, alcançado de 10 a 20 m de altura, conforme a espécie. Ramagem formada por folhas grandes, simples, alternas, dispostas ao longo do tronco, produzindo copa colunar ou cônica. Inflorescências masculina ou feminina, terminais, densas, ramificadas; as femininas, vistosas na cor vermelho-rósea e as masculinas, discretas, na cor creme.
 
Uso paisagístico
Árvore com notável qualidade ornamental, devido à forma da copa colunar e floração exuberante (planta feminina), além de apresentar crescimento rápido, sendo largamente empregada no paisagismo. Ideais para plantio em ruas mais estreitas, assim como nas composições de plano de fundo, delimitando espaços, ou ainda, guarnecendo fachadas de edifícios ou construções mais altas.
 
Outras espécies
 
Foto: J. B. Sodré
Homalocladium platycladum
 
 
 
Foto: J. B. Sodré
Muehlenbeckia complexa